Desequilíbrios musculares nas pessoas com artrose de joelho

Uma recente revisão publicada na revista Sports Health (link) estudou os desequilíbrios musculares em indivíduos com artrose de joelho, um ótimo trabalho em vista das evidências atuais. Este trabalho da fisioterapeuta Lynn Snider-Mackler discute também vários fatores associados aos desequilíbrios musculares nesta doença.

Eu gostaria de discutir estes trabalhos e combina-los com algumas recomendações do “consenso MOVE” (link) publicados há alguns anos na revista Rheumatology.

Há uma série de desequilíbrios relacionados à artrose de joelho; o conhecimento adequado destas alterações nos ajuda a desenvolver apropriadamente uma reabilitação e um programa de exercícios para as pessoas com esta doença.

Força do quadríceps (músculo anterior da coxa)

A fraqueza muscular do quadríceps está bem documentada na literatura científica. Trabalhos publicados anteriormente apresentam a existência de uma diminuição de força variando entre 11-56% quando comparado com indivíduos saudáveis. Existe ainda, uma maior diferença quando avaliado a força excêntrica deste músculo apresentando até 76% relatado em algumas publicações.

Essa perda de força, especialmente a excêntrica, pode implicar em vários déficits funcionais. Pense em quantas tarefas do dia-a-dia envolvem a contração concêntrica e excêntrica do quadriceps – sentar e levantar de uma cadeira, agachar e levantar-se do chão, subir e descer escadas – todas essas atividades tornam-se limitadas e contribuem para a insatisfação geral dos pacientes com artrose de joelho.

Atrofia e inibição do quadríceps

Existem dois fatores principais associados a perda de força do quadríceps em pacientes com artrose do joelho – atrofia e inibição muscular. Tem-se demonstrado que o músculo apresenta uma redução de 12% da sua área de secção transversa, percentual que representa atrofia nestes pacientes. Esta atrofia, obviamente contribui para a perda de força, no entanto a inibição muscular é também observado.

Mais uma vez, o mecanismo exato desta inibição ainda é desconhecido, porém, uma das razões para esta alteração da habilidade de contração, (provavelmente esta relacionada na descarga aferente dos receptores do joelho) esteja relacionada a descarga transmitida do impulso nervoso ao centro receptor do joelho). Isso pode ocorrer devido a alterações degenerativas das estruturas articulares como derrame articular, dor, inflamação e instabilidade ligamentar.

Outros déficits de força nos membros inferiores

A perda de força do quadríceps tem sido uma das alterações mais frequentemente citadas em associação à artrose do joelho. Muita ênfase tem sido colocada neste fator, no entanto, o comprometimento de outros músculos também foram identificados. Vários trabalhos publicados demonstram que pacientes com artrose do joelho também tem:

  • Redução de 4-38% na força dos isquiotibiais;
  • Redução de 16% na força de extensão de quadril;
  • Redução de 26-40% na força de flexão do quadril;
  • Redução de 27-40% na força de rotação externa;
  • Redução de 20-43% na força de rotação interna;
  • Redução de 22-24% na força de abdução;
  • Redução de 26% na força de adução.

Estes déficits acentuados de força ocorrem em todos os planos de movimento. Imaginamos que isso representa, um nível generalizado de descondicionamento, associado com o desenvolvimento da artrose do joelho. A fraqueza muscular e os desequilíbrios podem ter um impacto significativo sobre a capacidade de suportar forças, gerando compensações que aumentam a carga articular.

Comprometimento bilateral

Curiosamente, a fraqueza do quadríceps não acontece apenas na perna envolvida, a perna do outro lado, chamada de contralateral, também apresenta uma diferença de 16-26% comparando com pessoas saudáveis. Este déficit não é tão grave quanto o do lado envolvido, mas mostra que ambas as extremidades devem ser examinadas com cuidado.

A razão por trás desse déficit contralateral não é completamente conhecida, no entanto, pode representar a fraqueza geral e descondicionamento do paciente.

O ovo ou a galinha?

Se a força muscular é diminuída bilateralmente em indivíduos com artrite no joelho, uma questão clássica vem a mente: “o que veio primeiro, o ovo ou a galinha?”.  Será que a artrose do joelho pode causar um impacto tão dramático no comprometimento muscular ou esses desequilíbrios podem, potencialmente, facilitar o desenvolvimento de artrose do joelho?

Existem alguns estudos prospectivos que mostram que a fraqueza do quadríceps é responsável pelo desenvolvimento da artrose de joelho. Isso faz sentido para mim, sendo que, poderia estar relacionada à falta de condicionamento físico geral do paciente.

Talvez haja uma razão para se observar déficits bilaterais com maiores prejuízos envolvendo o joelho acometido. A artrose pode aparecer por um certo nível de fraqueza, desequilíbrios e descondicionamento. Então, estes fatores são sobrepostos pela inibição, desenvolvida pelas consequências naturais da artrite do joelho, tais como derrame, dor e inflamação.

Implicações clínicas

Após a revisão deste artigo, acho que podemos resumir o seguinte:

  • A força do quadríceps é significativamente prejudicada em indivíduos com artrite do joelho;
  • Tanto o déficit de ativação quanto atrofia contribuem para essa fraqueza;
  • Os comprometimentos também ocorrem no quadril e posteriores de coxa;
  • Diminuição de força e inibição muscular são vistas bilateralmente, embora o lado envolvido apresenta maiores prejuízos;
  • A força é um importante fator determinante para as atividades funcionais;
  • A diminuição de força pode ser um fator preditivo no desenvolvimento da artrose do joelho;

Os autores também incluíram um resumo de recomendações no consenso MOVE, que eu resumiria como:

Tanto o fortalecimento quanto o exercício aeróbico reduzem a dor e melhoram a função em pacientes com artrose do joelho e quadril, sendo essenciais no tratamento e ainda apresentam poucas contra-indicações.

Aumentar a força muscular e propriocepção com exercícios, podem reduzir a progressão da artrose, embora, um dos fatores limitantes é a adesão, pelos resultados serem a longo prazo.

Além dessas recomendações, gostaria de sugerir também a inclusão dos seguintes princípios para o desenvolvimento de programas de reabilitação para pessoas com artrose:

  • Fortalecer o membro inferior interio;
  • Realizar os exercícios bilateralmente;
  • Maior ênfase no quadríceps e quadril;
  • Pontuar as principais fraquezas;
  • Os exercícios devem conter fortalecimento, estabilização dinâmica e controle neuromuscular;
  • Correlacionar a alteração muscular com a disfunção de movimento;

Em conclusão, espero que este texto possa mostrar um pouco do que acontece em um tratamento de uma pessoa com artrose e que não basta focar apenas no controle da dor.

Traduzido e adaptado por Caio Sain Vallio de www.mikereinold.com